J Bras Nefrol. 2019;41(2):185-92.

Efeito da papaverina local na maturação de fístulas arteriovenosas em pacientes com doença renal terminal

Reza Manani, Gholamreza Kazemzadeh, Ali Saberi, Fatemeh Sadeghipour, Asghar Rahmani ORCID logo

DOI: 10.1590/2175-8239-JBN-2018-0170

Resumo Gráfico

Resumo Gráfico Clique para ver

Resumo

Introdução:

A maturação da fístula arteriovenosa (FAV) é uma das principais preocupações em pacientes com doença renal terminal (DRT). Assim, é importante identificar estratégias para aumentar as taxas de sucesso e acelerar a maturação da fístula. O objetivo do presente estudo foi avaliar os efeitos da infiltração de papaverina sobre a maturação da FAV e suas taxas de sucesso.

Método:

O presente ensaio clínico randomizado incluiu 110 pacientes com DRT encaminhados para colocação de FAV. Os pacientes foram randomizados em bloco em função de idade e sexo e alocados nos grupos caso ou controle. Os indivíduos no grupo caso receberam infiltração local de papaverina (0,1 ou 0,2 ml) no plano da sub-adventícia da artéria e veia após o controle proximal e distal durante a construção da FAV. No grupo controle, a construção da FAV foi realizada rotineiramente sem infiltração de papaverina.

Resultados:

Os tempos de maturação dos grupos caso e controle foram 37,94 ± 11,49 e 44,23 ± 9,57 dias, respectivamente (p = 0,004). Foi observado hematoma em apenas um paciente do grupo controle. Um paciente do grupo caso desenvolveu hipertensão venosa. Quatro fístulas funcionais, uma (1,8%) no grupo caso e três (5,5%) no grupo controle, não amadureceram (p = 0,618). A taxa de maturação não diferiu estatisticamente entre os dois grupos (p = 0,101).

Conclusão:

A infiltração local de papaverina aumentou o diâmetro do vaso e o fluxo sanguíneo, elevando a tensão de cisalhamento nos segmentos arterial e venoso da FAV recentemente criada. Desta forma, a papaverina provavelmente consegue reduzir o tempo de maturação da FAV sem aumentar as complicações.

Efeito da papaverina local na maturação de fístulas arteriovenosas em pacientes com doença renal terminal

Comentários