J Bras Nefrol. 2019;41(2):200-7.

Cognição e função renal: achados de uma população brasileira

Viviane Bernardes de Oliveira Chaiben ORCID logo , Thabata Baechtold da Silveira ORCID logo , Murilo Henrique Guedes, João Pedro de Almeida Fernandes, João Henrique Fregadolli Ferreira, Julianna Beltrão, Giovanna Foltran Leal, Lucas Henrique Olandoski Erbano, Natasha Ludmila Bosch, Roberto Pecoits Filho, Thyago Proença de Moraes, Cristina Pellegrino Baena

DOI: 10.1590/2175-8239-JBN-2018-0067

Resumo Gráfico

Resumo Gráfico Clique para ver

RESUMO

Introdução:

A elevação da prevalência de doença renal crônica (DRC) traz consigo um impacto potencial sobre o risco de aceleração da demência. A possível associação entre taxa de filtração glomerular (TFGe) e desempenho cognitivo foi pouco estudada. O objetivo do presente estudo foi avaliar os níveis de desempenho cognitivo em indivíduos com diferentes graus de função renal.

Métodos:

Foram analisados 240 pacientes ambulatoriais atendidos em um serviço de nefrologia classificados segundo a TFGe em grupos com DRC avançada (≤ 30ml/min/1,73m2), moderada (30,1ml/min/1,73m2 a ≤ 60ml/min/1,73m2) ou leve (> 60ml/min/1,73m2). Testes de memória por listas de palavras, fluência semântica, o mini exame do estado mental e o teste das trilhas (TT) foram aplicados para avaliar o desempenho cognitivo. No TT, escores mais baixos representam melhor cognição. Na regressão linear, função cognitiva foi considerada como variável dependente, enquanto os grupos baseados na TFGe foram considerados como variáveis explicativas. O grupo com TFGe > 60ml/min foi utilizado como referência e os modelos foram ajustados para fatores de confusão.

Resultados:

Em nossa população (n = 240), 64 pacientes (26,7%) foram diagnosticados com DRC avançada, 98 (40,8%) com DRC moderada e 78 (32,5%) com DRC leve. Não houve diferença estatística entre eles no MEEM ou no teste de fluência verbal. Contudo, em relação aos indivíduos com DRC leve, os pacientes com DRC avançada apresentaram desempenho cognitivo significativamente pior medido pelo TT A [50,8s ± 31,1s x 66,6s ± 35,7s (p = 0,016)] e TT B [92,7s ± 46,2s x 162,4s ± 35,7s (p < 0,001)]. Escores significativamente mais baixos no TT B (IC95%) 33,0s (4,5-61,6s) foram observados nos pacientes com DRC leve em comparação com o grupo com DRC avançada na análise multivariada ajustada para idade, escolaridade, sexo, diabetes e uso de álcool.

Conclusão:

DRC avançada esteve independentemente associada a pior desempenho cognitivo medido por um teste de desempenho executivo em comparação à DRC leve.

Cognição e função renal: achados de uma população brasileira

Comentários